Precarização na saúde pública: prefeitura de São Paulo vai fechar 31 bases do Samu

94

Com base na medida de corte de gastos na saúde, assistência social e coleta de lixo publicada por Bruno Covas, a prefeitura de São Paulo irá fechar 31 das 58 bases do Samu, precarizando o atendimento emergencial da população de São Paulo e com possibilidade demissão de trabalhadores.

A prefeitura de São Paulo irá desativar 31 das 58 bases existentes do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e realocar os funcionários. Essa medida faz parte dos cortes de gastos que o prefeito Bruno Covas publicou na última sexta (22) para a saúde, assistência social e coleta de lixo na capital paulista. Precarizando ainda mais os serviços públicos.

A medida tem o intuito de contingenciar gastos, mas esse contingenciamento vai gerar uma série de problemas estruturais já que as bases estão instaladas em pontos estratégicos da cidade para possibilitar um atendimento mais rápido em sua área de cobertura. Um funcionário da Samu afirmou que o tempo de atendimento dos pacientes irá mudar. “Quando recebemos uma ligação de emergência estamos em uma área estratégica dentro do perímetro de atendimento. Com a mudança do ponto de trabalho, os atendimentos vão demorar mais, o que pode ser crucial para os pacientes, podendo resultar em um óbito”, alegou o funcionário.

Além do encerramento desses postos serem prejudicial para a população, irá afetar muito os trabalhadores da saúde, que serão realocados para outros postos e terão seus horários alterados. Essa mudança irá afetar a vida de mais de 1.600 funcionários. Os terceirizados podem ser os mais prejudicados com isso, pois com o fechamento dos postos do Samu, os contratos de segurança e limpeza irão reduzir ou encerra, o que provavelmente irá acontecer muitas demissões de setor que já sofre com a precarização do serviço.

Covas vem seguindo com vários ataques contra a população e os trabalhadores de São Paulo como o aumento da tarifa de transporte e também e a retirada de direitos dos servidores públicos com o SampaPrev e repressão brutal que vêm fazendo contra a greve. Essa medida mostra mais ainda que Covas quer que os trabalhadores paguem pela crise cortando gastos e fechando postos da Samu, precarizando mais os serviços públicos da população em serviços dos interesses capitalistas.

Fonte: https://www.esquerdadiario.com.br/Precarizacao-na-saude-publica-prefeitura-de-SP-vai-fechar-31-bases-do-Samu-27901

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digita seu nome aqui