A vacina é uma substância capaz de encorajar o sistema imunológico, com o objetivo de transformar o organismo da pessoa imune, ou mais resistente.

Desse modo, a vacina decorre da presença de proteínas, toxinas, partes de bactérias ou vírus, enfraquecidos ou mortos, que ao serem inseridos no organismo de estimulam a síntese de anticorpos.

Além das substâncias imunogênicas, as vacinas podem conter outras, como líquido de suspensão, conservantes, estabilizantes e adjuvantes, com funções de evitar a contaminação, proteger os imunobiológicos de condições adversas como: o frio, calor, alterações do pH, ou até mesmo aumentar o estímulo à produção de anticorpos.

O calendário vacinal é uma sequência cronológica de vacinas administradas via oral ou injeção que se inicia sistematicamente a partir do nascimento.

Principais vacinas

Com base no Ministério da Saúde são as principais vacinas:

  • Nascimento: são duas vacinas que devem ser administradas:

Uma dose de BCG e a vacina de hepatite B que protegem contra a doença grave de tuberculose, essa que por sua vez é causada por uma bactéria chamada Mycobacterium tuberculosis que afeta principalmente os pulmões.

  • Dois meses de vida: são administradas as vacinas:

Pentavalente que verifica a proteção contra: difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e doenças invasivas causadas pela bactéria Haemophilus influenzae tipo B.

Esquema vacinal VIP/VOP, a VIP é uma vacina formada por cepas inativas de três espécies de poliovírus. Ela protege o bebê contra a paralisia infantil.

Pneumocócica 10 V – conjugada essa vacina previne doenças causadas por pneumococos, como por exemplo pneumonia, meningite e otite.

Rotavírus na qual protege da doença diarreica causada pelo rotavírus.

  • Três meses de vida:

Meningocócica C – conjugada. A criança recebe sua primeira dose na qual protege contra a meningite e a meningococcemia, doenças causadas pelo vírus meningococo C.

  • Quatro meses de vida:

São aplicadas a segunda dose na criança das vacinas: Pentavalente, VIP, pneumocócica 10 V -conjugada e rotavírus.

  • Cinco meses de vida:

A criança recebe a segunda dose da vacina meningocócica C – conjugada.

  • Seis meses de vida:

Aos seis meses aplica-se a terceira dose das vacinas pentavalente e VIP.

  • Nove meses de vida:

O bebê recebe a dose única da vacina contra a doença da febre amarela, que é transmitida pela picada de mosquitos dos gêneros (Aedes aegypti) e (Haemagogus e Sabotes).

  • Doze meses de vida:

Ao completar doze meses, é realizado o reforço da vacina pneumocócica 10 V – conjugada e da meningocócica C – conjugada.

Além disso, é aplicada a primeira dose da tríplice viral, uma vacina que garante a proteção contra o sarampo, a caxumba e a rubéola.

  • Quinze meses de vida:

Ao completar quinze meses, é importante realizar os reforços da penta com DTP e da VIP com VOP.

A DTP é uma vacina que é protege contra difteria, tétano e coqueluche.

A VOP é uma vacina contra a poliomielite que hoje em dia é utilizada nos reforços. Nesse período de vida, também é administrada uma dose da vacina contra hepatite A e uma dose da tetraviral.

A vacina tetraviral possui o objetivo de proteger contra a varicela, ou seja, a catapora, sarampo, caxumba e rubéola.

  • Quatro anos de vida:

Ao completar quatro anos de idade de, é realizada na criança o segundo reforço com DTP e com VOP.

  • Após os quatro anos de vida, a criança só será vacinada na adolescência, com vacinas que se iniciam aos dez anos de idade.

Importância da vacinação de crianças

 A vacinação é uma das maneiras primordiais para prevenção doenças. Ela estimula o corpo a se proteger de vírus e bactérias que importunam vários tipos de problemas graves que podem atingir gravemente a saúde das pessoas, até mesmo leva-las à morte.

Elas podem ser formadas a partir de organismos enfraquecidos, mortos ou alguns de seus provenientes.

Assim, elas podem ser aplicadas por meio de injeção ou por via oral desse modo, após a pessoa ser vacinada, seu corpo identifica a substância e gera uma defesa, que são chamados de anticorpos.

Esses anticorpos encontram-se no organismo e impedem que a doença aconteça no futuro, ou seja, cria uma imunidade.

Envolvimento do Ministério da Saúde com a vacinação

O Ministério da Saúde disponibiliza mecanismos capazes de gerenciar o sistema de carteiras de vacinação, também abrange diversas informações sobre as vacinas disponibilizadas de forma gratuita pelo Sistema Único de Saúde – SUS, além disso realiza diversas campanhas com o objetivo de alertar e lembrar a população sobre a importância da vacinação.

Um dos programas realizados pelo Ministério da Saúde junto com as secretarias estaduais e municipais foi o “Programa Nacional de Imunizações”, essa campanha que ocorre todo ano com o objetivo de alertar sobre a doença poliomielite (paralisia infantil) que são transmitidas por água e alimentos infectados.

A vacinação é um meio mais eficaz de evitar diversas doenças que são imunopreviniveis e as campanhas realizada pelo Ministério da Saúde possuem a finalidade de controlar ou mesmo erradicar as doenças do território brasileiro.