Dados fornecidos pelo Ministério da Saúde indicaram que o número de crianças e bebês com a carteira de vacinação em dia no Brasil apresentou uma queda brusca se comparado com o ano de 2017 evidenciando, ainda, o índice mais baixo no país dos últimos 16 anos.

O resultado apresentado acima se dá principalmente devido a uma série de notícias falsas popularmente chamadas de fake News, que tem tomado conta das mídias sociais e de comunicação, tal como Facebook e Whatsapp, nos últimos tempos. Notícias que circulam nas redes com os dizeres A vacina é mortal”, “Essas doses já mataram milhares” e Não vacine seus filhos são veiculadas diariamente atingindo grande parcela da população.

A propagação de tais notícias de cunho sensacionalista traz perigo para as pessoas que as recebem e as tomam como verdade causando preocupação ao Ministério Publico da Saúde.

Isso ocorre pois a disseminação de tais notícias falsas podem trazer grandes malefícios para a população que possui maior dificuldade em ter acesso à fontes de informações confiáveis, acentuando a falta de conhecimento e a desinformação sobre a importância da vacina e o que pode acontecer no caso de retorno de doenças já erradicadas quase que por completo do Brasil pela falta de vacinação.

As doenças que podem reaparecer no Brasil devido ao baixo índice de vacinação são:

  • Sarampo
  • Poliomielite
  • Rubéola
  • Difteria

Diante do quadro, o Ministério da Saúde alertou sobre o risco de retorno de tais doenças caso o movimento antivacina continue ganhando força e tomando proporção. Por meio de seu site oficial lançou uma série de informativos acerca da importância da vacinação, em todas as fases da vida de uma pessoa, com base no Calendário Nacional de Vacinação.

É explicado ainda sobre as diversas reações que uma determinada vacina pode apresentar, o que é preciso para alguém se vacinar e os riscos que podem surgir em caso de não vacinação.

Alem disso, devido ao alto índice de propagação de Fake News e seus reflexos expressivos na saúde pública, ao que se diz respeito à prevenção de doenças por meio de vacinas, o Ministério Público da Saúde abriu um canal de comunicação com a população para combater tais notícias falsas. Usando seu site como uma ferramenta e aderindo também ao WhatsApp, os cidadãos poderão enviar qualquer dúvida que tenham sobre determinado assunto que circula na rede. Tais indagações serão apuradas pelas áreas técnicas e respondidas oficialmente se são verdade ou mentira.