Uma grande dúvida que rodeia muitos consumidores é entender a diferença do plano de saúde e do seguro saúde. E com a intenção de resolver essa questão, acompanhem até o final este artigo e entenda melhor as diferenças e aplicabilidades de cada um.

O  seguro saúde

O seguro saúde é um serviço que oferece reembolso aos beneficiários que procuram serviços médicos ou 

Ressalta-se que independentemente do serviço, ao contar com um seguro saúde o usuário poderá escolher o prestador de serviço que lhe for mais conveniente, pagar pelo serviço e depois receber o valor pago

Reembolso

O Reembolso funciona conforme o plano selecionado no momento da contratação do seguro saúde. Nestes casos, o segurado paga um valor mensal, valor este chamado de “prêmio”, que garante a todos os demais clientes a cobertura das despesas ocorridas durante o mês

O plano de saúde

O plano de saúde é um serviço que busca reunir uma gama de procedimentos médicos e laboratoriais, sendo que esses procedimentos irão variar a depender da cobertura escolhida pelo beneficiário. As variações podem se dar desde atendimentos clínicos, internações hospitalares e exames específicos.

É válido ressaltar que cada uma das empresas que oferecem essa espécie de serviço conta com alguns pacotes de cobertura diferentes e suas próprias redes de atendimento.

Normalmente, os planos de saúde possuem diferentes tipos de abrangência e valores, em coberturas conhecidas como:

  • Individuais;
  • Familiares;
  • Coletivos;
  • Empresariais;

Diferença entre seguro saúde e plano de saúde

É de suma importância destacar que a maior diferença entre os seguros saúde e os planos saúde é que no seguro saúde o beneficiário é livre para pode escolher quem irá lhe prestar os serviços, escolhendo tanto os serviços laboratoriais e médicos, sem a imposição de esperar vagas para consultas.

O seguro saúde promoverá o reembolso referente a todas as despesas médicas feitas por seus segurados, diferentemente do plano de saúde, que recebe um valor específico para oferecer tais serviços sem custos adicionais em algumas situações.

São serviços diferentes que oferecem coberturas para o mesmo fim. Antes de escolher entre um deles é interessante que você avalie a sua necessidade de contar com esse serviço e quais as vantagens e coberturas, assim como a abrangência territorial, oferecidos por cada um deles.

Ambos os serviços possuem períodos de carência, ou seja, um prazo estabelecido pela empresa em que determinados serviços não terão sua utilização permitida. Portanto, vale a pena pesquisar esses períodos também antes de fazer sua escolha.

O período de carência pode variar de meses a dias, dependendo do serviço, do plano de cobertura e do prestador. Pesquise bem cada uma das possibilidades e encontre a que lhe será mais viável.

As Administradoras de Benefícios

As Administradoras de benefícios são pessoas jurídicas, que são reguladas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que atuam como estipulantes ou prestadoras de serviço de empresas, órgãos públicos ou entidades representativas que desejam contratar um plano de saúde coletivo, auxiliando-os a proporcionar acesso à saúde a população a eles vinculadas.

Por serem especializadas em planos de saúde coletivos, as Administradoras de Benefícios ampliam ainda mais o poder de negociação desses contratantes, na medida em que eles passam a ter maior compreensão sobre os direitos garantidos pela legislação que rege o setor, além de poderem contar com o suporte logístico e a infraestrutura de serviços que elas oferecem.

As Administradoras de Benefícios podem trabalhar para as Operadoras de Planos de Saúde?

Não. As administradoras de Benefícios são proibidas pela legislação de atuar como representantes, mandatárias ou prestadoras de serviço de Operadoras de Planos de Saúde e nem executar quaisquer atividades típicas da operação de planos privados de assistência à saúde.

Além disso é vedada a participação de Administradora de benefícios Operadoras de Plano de Saúde pertencentes ao mesmo grupo econômico em uma mesma relação contratual.

Artigos 3° e 9° da RN 196/2009 ANS